sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Essa é minha cara enquanto vejo vocês se fuderem. Mas, confiem em mim. As pessoas só tem olhos para o que querem ver, esse é o segredo da magia.


Como eu já disse antes, tenho fugido de muitos funerais durante minha vida (um belo treino para fugir do meu próprio) .

A memória daquele que eu era no começo está afundada como fragmentos de cristal em um poço profundo de esquecimento.

Que ondulam através do meu desejo latente pelo vazio.

A noite observa e devora os espectros. Sorte da noite e dos espectros, pelo menos alguém se come nessa pocilga.

Puta noite quente...preciso de outro banho. E comer a puta noite... pra quê perder tempo?

Se eu gostasse de brincar com palavras eu diria que está uma noite infernal.

Interessante a associação de inferno com climas indesejáveis. Me lembra algo.

Era uma vez um cara que conheci certa noite num bar lá pelas tantas, já com a língua enrolada ele me fez uma confidência...

...e contou que tinha medo de ficar doente.

Eu entendo por quê.

Qual é a desses malditos sonhos, afinal? Não da pra cochilar nem dez minutos.

Dores de cabeça, náusea, escarros, cansaço o tempo todo... pelo menos estou perdendo barriga.

“Já faz muito tempo”, você mente pra si mesmo enquanto perambula nas ruas molhadas, como se pensando assim, de algum modo, justificasse todos esses anos endurecendo a alma.

Perda de tempo.

Por isso adoro gripes. Ati-termicos, vitaminas, xaropes, sempre tem uma infinidade de opções para sua melhora rápida. E quanto a alma?

Eu odeio não poder fazer nada. Eu me sinto como um rato pulando do navio... mas eu não posso fazer nada.

Está tudo indo pro inferno, justo quando agente tava chegando perto de escapar dessa sem ser pego.

Seu coração está prestes a explodir, subjugado pelo vazio, igual a um viaduto pra lugar nenhum as duas da madrugada.

A bomba está na sua mão porque você é o único que sabe a verdade... que isso estava pra acontecer, cedo ou tarde.

Que todos veriam através do seu ridículo subterfúgio... e descobririam que você tem tanto medo do escuro quanto eles têm. E eles te odeiam por isso.

Então chega a hora que você começa a questionar seus propósitos. Aí é quando chega o Diabo.

Você o ouve... rosnando para você. Uma impiedosa torrente de críticas, repletas do nosso próprio medo pela eternidade.

Você consegue sentir o jato psíquico dele se aliviando sobre sua consciência culpada.

O Diabo deve ter gastado um frenesi de risadas por me ver vacilar cheio de dúvidas e álcool , repleto de remorso. Ele só queria mostrar sozinho quem este escroto barbado era realmente.

Três horas depois, e nada de “idéia brilhante”.

Está quase na hora de fechar o bar.

Merda.

Ficar doente sempre é uma droga. A qualquer momento você pode morrer e o inferno reclama sua alma.

Estou com a sensação de que estou usando a abordagem errada. Ainda não entendi muito bem, mas tenho certeza que estou fazendo algo errado.

Peraí, errado não...diferente. Estou procurando ajuda de outras pessoas, me vitimizando, nutrindo pena de mim mesmo... como um cão que lambe inutilmente um buraco de bala esperando sarar.

Mas normalmente eu só conto comigo, não é?

Exatamente. Ajude-se, cara. Pense no assunto.

Mas pra tudo existe uma saída...puta merda... só tenho idéias imbecis, e essa é realmente muito doida, mas até pode dar certo.

Arrependimento não vale porra nenhuma. Sei lá... eu me arrependo de muita coisa, de que valem agora?

Todo o medo, o sofrimento, a tristeza e a angústia que senti pelo que fiz no decorrer dos anos...

Tudo termina hoje a noite e nada pode mudar esse fato.

Bem. Era agora que eu deveria lamentar e me arrepender de meus pecados, de ter sido um completo escroto, mentiroso e manipulador.

Eu quero que vocês saibam que sempre teve a ver com vocês, não a magia, os demônios ou coisa que o valha. Mas aos filhinhos da puta que trouxeram o inferno para suas próprias vidas.

O poder de vocês é como a magia, porque ele não existe a menos que um numero suficiente de pessoas acredite nele. De certa forma, é contra isso que venho lutando todos esses anos. Nessa crença.

Tudo que eu sempre quis foi que o mundo se livrasse de sua laia, seja no parlamento, no senado, nas juntas, nas ruas, nos bares, no céu e no inferno.

Talvez tudo isso seja inútil. Talvez as pessoas sejam pequenas demais pra se libertarem, talvez queiram vocês ai, cagando pra elas.

Mas, como um vendedor ansioso pra arrochar seu mercado e enganar os clientes, vocês estão muito felizes de poder explorar todo mundo.

Ah, fodam-se...

No que me concerne, vocês sempre foram o inimigo. Por isso, ouçam o que eu tenho a dizer.

Eu não lamento.

Eu pensei que sentia arrependimento, remorso ou culpa, mas não, foi só uma ilusão.

Eu não lamento nada.

Eu ainda posso concertar as coisas, desde que eu arruinei meu paraíso eu posso concertar as coisas. Você se lembra quando você arruinou seu paraíso? Eu lembro quando arruinei o meu.

Quando eu era menino eu brincava numa mata perto de casa, onde havia um rio que nenhuma mãe deixava suas crianças brincarem. Coisas legais sempre ficam em lugares legais. Galhos, cascas, insetos, espinhos, lama...

Certa vez cavando para fazer um poço para meus comandos encontrei uns ossos debaixo da lama. Revelei só um pouco antes do cheiro podre subir, eram as costelas. O Medo se misturou com a excitação, e assim se transformou.

As costelas eram pequenas, pareciam de uma criança um pouco menor que eu.

Pensei imediatamente que era o esqueleto de uma criança morta afogada e enterrada pelo velho do saco.

Alguma coisa cintilava imprecisa no peito dele. Lembrava uma manga seca, vermelha e com veias. Era o coração da criança-morta.

A mágica do coração iria me defender dos garotos maus, do velho do saco e iria me encher de hambúrgueres(eu era viciado naquela época). Confesso também ter tentado matar muita gente, mas não da pra se desejar o que ainda não se sente.

Eu ficava imaginando quantas vezes o seu coração bateu antes do velho do saco pegar a criança-morta. Será que ele tinha a afogado de uma vez, ou deixou trancado, esperando? A criança-morta estava só? Estava com medo? Ela tinha mãe ou pai para salva-la? E qual foi o segredo que o velho te mostrou? Era algo morto? Era o caminho pra terra do nunca? Era lá que a criança estaria agora?

O tempo transforma sentimentos. Aquela excitação retornou ao estado de medo.

Não devia tê-lo pego. “E se o velho do saco volta procurando por isso?”

Eu sentia o coração da criança-morta quente. Mas ainda com toda dor e a umidade, grudento como fluidos de insetos. Tudo parecia amaldiçoado e sujo. Eu queria me sentir livre.

Eu tinha desejado mal para as pessoas, o mal havia os alcançado. Eu era culpado, eu ia ser julgado, eu ia ser condenado, eu ia morrer. Eu tinha que levar de volta.

O medo corroendo minhas veias e segurando minhas pernas para que eu não voltasse para aquele túmulo. Antes de devolver ao seu peito putrefato eu decidi desenterrar o resto, queria ver seu rosto. Não raciocinei que até a carne já havia fugido dos vermes, eu só queria saber se parecia com alguém que eu conhecia.

Minhas mãos já nem se atreviam a tocar aquele corpo, usei um galho pra vulgarmente tentar revelar mais do que eu já tinha visto, eu sabia que a criança-morta iria ficar com raiva de mim por machucá-la daquela forma.

Seu rosto saiu da terra como uma minhoca querendo saber o que está acontecendo na superfície. Foi aí que eu entendi perfeitamente a magia. Foi naquele momento sujo e de suspense que me atingiu como um raio na cabeça o mistério de tudo.

Era um cachorro.

Brinquedos e desenhos animados de animais falantes não faziam mais o menor sentido depois daquele momento, porque era um cachorro. Era só um cachorro enterrado.

Me senti como quando agente joga a primeira pedra numa janela:

“Ai meu deus, foi muito forte. Acertou alguém...rachou sua cabeça, seus miolos estão espalhados e o sangue todo escorrendo em seu rosto, como mingau na camisa. Ele deve está morto, deve estar. Eles vão saber que fui eu. Mas ninguém viu. Ninguém saiu lá de dentro. Ninguém vai me bater. Me dei bem.”

Quando criança, em minhas aventuras, com um galho mexendo em um cachorro morto eu entendi perfeitamente a magia. Desde então tudo ficou trivial.

Ainda lembro de meu rosto quando sai daquela mata. Sorridente e vitorioso, ganhei um par de olhos novos naquele dia. Se eu tivesse um cigarro naquela hora eu haveria fumado.

As vezes na vida tem que ser tudo ou nada.

O que acontece quando você se olha no espelho e vê um ser decadente, doente e patético?

Como qualquer egocêntrico eu só percebo meu estado quando está longe demais, quando o pé está na cova. A negação é um dos maiores poderes da magia e deve ser usado com sabedoria. Era só uma questão de tempo até que 10 toneladas de merda caíssem na minha cabeça.

Exatamente como o inferno deseja minha alma, morta, envelopada e selada.

Se arrepender por salvação não é uma opção.

Afinal, quem precisa de salvação? Eu fiz o que fiz e faria de novo. Seria o mesmo filho da puta mentiroso, manipulador e aproveitador que eu sempre fui.

Quando A Idéia a mim chegou, fui lançado para um lugar abandonado.

Vou curar minha alma, e quem entende melhor de almas do que Diabos?

Esses sarnentos negociam almas desde antes do habito de cagar, mijar e copular. Tudo é questão de oferta e procura.

Aprendi no Poderoso Chefão a fazer ofertas irrecusáveis. E essa, nem o próprio Diabo ia recusar.

A magia começa quando traço uma auto-imagem de um eu possuindo cabelos brancos, um pulmão preto e com o rosto cheio de rachaduras da velhice. A ausência de um braço resultante de uma luta não contra o Diabo ou um homem, mas contra outra doença, da alma ou não, dá um toque todo especial de veracidade para a magia. Eu não vou morrer hoje.

Agora só preciso encontrar um lugar que os meus convidados sintam-se em casa, um lugar daqueles insidiosos e graves ultrajes da natureza que não deveriam existir.

Esses lugares sempre me dão vontade me mijar nas calças, mexer com Demônios e lugares profanos sempre é perigoso. Mas que se dane, já me machuquei tanto fazendo piadas com isso, que o próprio Diabo riu tanto que vomitou no meu coração. Então que venha o pior...como disse um grande sábio que conheci: “Aproxima-se. Imprestável e deturpada sombra...acha que tenho medo de encarar sua face escabrosa? Este é meu território. Eu sou o poder aqui.”

Por mais que os ventos uivem como se me condenassem, eu vou fazer.

Pode ser só nostalgia, mas resolvi fazer a cerimônia num local familiar. É bom conhecer o território nesse tipo de coisa.

A ultima vez que estive lá, o lugar parecia um açougue.

Já se passavam alguns anos, mas eu ainda me lembro do cadáver do capitão-planeta deslizando lentamente nas escadas mijadas, e a cabeça da sra chapa me fitando com as órbitas cheias de gozo de Demônio enquanto sr chapa flertava com minha mãe.

Não da pra beber aqui. O mal ainda ta ecoando pelas paredes, a espera que alguém se atreva a aceitar.

Se alguém tomar LSD aqui vai entrar em ligação direta com um mundo de merda.

O quintal sempre é o melhor lugar pra essas coisas. Entre caixas antigas de cerveja e lavanderias nunca usadas eu encontro a ponte certa.

Ainda bem que não preciso de nenhuma virgem pra sacrificar. Mesmo se precisasse, por que as pobres virgens sempre se dão mal nessas coisas?

Eu sempre preferi sacrificar porcos.

Você sabe, porcos, aqueles simpáticos pervertidos com doença de pele que só conseguem uma ereção se estiverem banhados em sangue de bode.

Quase tudo o que vou fazer aqui é básico. As invocações variam de um para outro.

O resto é bem fácil, nada de giz com sangue ou velas, símbolos místicos ou cânticos protetores, isso é pra amadores. É só gritar : “Ei, você ai nas trevas, você sabe quem eu sou. Vamos conversar”

Nomes são muito importantes nesse negócio. É fácil saber nomes quando se é um filho da puta carismático, eu tenho a maldita lista telefônica dos nove círculos. Os putos nem terão chance, sei até a lanchonete que eles costumam de pedir comida.

A magia verdadeira será apenas para esconder a placa de “vendido” da minha alma, assim posso vendê-la varias e varias vezes. Essa será a grande magia, e uma coisa eu sei, vai custar muito caro.

O resto do plano não tem muito segredo. É só repetir isso umas centenas de vezes até conseguir sua alma vendida para o máximo de demônios diferentes. Fácil como pegar dezenas de mulheres na mesma festa sem que elas saibam.

Só é preciso ter sangue frio e dar pausas pra recuperar o fôlego, lembrando sempre que não se deve olhar o diabo tão de perto, isso sempre fode sua cabeça.

A experiência é quase sempre igual, só mudam o tema, a essência é a mesma. O sangue do demônio respinga no chão, uma mácula obscena que devora a memória e onde se reúne forma poças mais negras que a noite. Sempre vejo meu rosto refletido nas poças. Embora esteja distorcido e mutilado, eu não tiro os olhos dali. Mas lá vai uma dica: É melhor do que olhar pra eles. A todos eles eu peço o mesmo, a cura da minha alma. E em troca, quando eu morrer, minha alma vai coleção deles.

E assim foi feito.

Três vezes atado.

Três vezes maldito.

Três vezes condenado.

Pra descansar pedi uma cerveja naquele galinheiro, pior do que estava não ficaria. Fui pra fora e procurei um lugar para sentar que não estivesse mijado, cagado ou vomitado. Sentei e esperei. Ai chega a parte final da magia, acreditar que vai funcionar.

Diabos são seres muito egoístas, nenhum vai abrir mão da minha alma para o outro, ainda mais pelo fato de eu ter passado tantos deles pra trás.

É, eu sei, é a idéia mais retardada que vocês já viram. Um brinde pra todos vocês pela perspicácia. Um brinde a mim, eu também mereço uma dose e porque... bem... no fim, eu fiz do meu jeito.

Quando eles descobrem que eu trapaceei o jogo deles é quando começa o meu. O mais perigoso momento da mais perigosa partida que já joguei. Se caírem nessa, vai ser ganhar na mega-sena.

Esses putos são orgulhosos demais para entrarem num consenso, eles gritam entre si, discutem, como lordes pomposos digladiam entre si com intimidações e diplomacia. Por mais estranho que pareça soa como cães uivando, risinhos zombeteiros, alarmes de carros descontrolados e aviões pousando. Seria engraçado se não fosse trágico.

Então eles começam a bravejar sobre ladainhas das novas fofocas do inferno, rancores antigos. Nada que eu não soubesse, afinal, sempre recebo postais de lá.

Eles precisam cair, vão cair.

Não tenho mais nada. Não me decepcionem. A linha está na água com uma suculenta minhoca no anzol. Vamos seus putos. Se todos vocês brigarem por minha alma vai ficar difícil de esconder que foram enganados por um pirralho filho da puta. Deixem pra lá e me dêem o que me prometeram, é o acordo.

Mordam a isca.

E eles mordem.

Decidem saciar meu desejo para varrer pra debaixo do tapete nosso segredinho sujo, sendo obrigados a curar minha alma para não brigarem entre si e para que não fique em evidencia que foram passados pra trás por um bêbado mijado.

Assim me curaram, mas fizeram questão que fosse da forma mais dolorosa possível. Alcançam minha alma através da carne.

Não consigo gritar.

Eu quero muito, mas não consigo, eles partem minhas costelas uma a uma e aí erguem meu esterno com o barulho de uma árvore caindo. Depois torcem o osso para cortar algumas cartilagens.

Assim que empurram meu coração de encontro à coluna para afastar do caminho, eles mergulham as mãos no pântano negro e barrento em que se transformou minha alma. Eles incineram a doença, recria e substitui tudo. Por alguma razão isso dói dez vezes mais.

Jogado no chão, ainda não podia respirar com a garganta ainda esmagada, e tudo que ouvi saindo de mim foi um chiado leve, escapando do X-tudo que costumava ser minha boca.

Terminam felizes... como se isso fosse apenas uma amostra grátis do que me espera quando eles arrumarem uma forma de se vingar. Enquanto isso me reconstroem contra vontade.

Por fora estou um lixo, me sinto como aquelas sobras de gordura após a lipoaspiração.

Por dentro estou exultante, cantando a plenos pulmões, quase literalmente andando nas nuvens.

Dá pra sentir o ódio pairando no ar. Esses putos querem meus bagos tostados num espeto com meu escalpo servindo de salada.

Eu sou o homem mais odiado de todos os tempos.

*Mas as regras do mercado ainda se aplicam a mim, toda troca tem um preço. Dessa vez fiz com que não levassem minha alma, mas minha magia teve um custo. Me custou o amor que eu guardava pelos meus. Todos os meus.

Dos meus amigos me dói pouco ver morrer meu amor por eles. Afinal, era sempre eu que jogava cinzas em seus pratos e maculava suas vidas. Sempre que fui para o inferno os levei comigo, como um covarde que se segura nas cortinas quando é arrastado pra guerra.

O amor pelos do meu sangue foi um terror assistir cair e me ser servido numa bandeja para contemplar. Mas não senti nenhuma culpa, e não podia lamentar por algo que finalmente havia conseguido, um sonho poderoso, algo que finalmente foi banido para um esquecimento frio. Minha carência, minha fraqueza, minha humanidade. Convicto de que a dádiva de minha vivência não era um direito e sim uma obrigação. Havia cansado de ser chamado de criança dourada. Eu era uma criança especial, eles diziam. Eles me oferecem seu amor de boa vontade hoje, eu não posso recusar. Eu rio e me faço gargalhar...mas nunca mais os acolherei.

É claro, eu gostava deles, mas até então não sabia que este mundo era só meu parque de diversões... um caminho para coisas melhores.

Uma vez mais, me recolho para minhas memórias... são sempre vivencias que são boas de repetir e sempre tem algo novo, quase como voltar no tempo para prever o futuro, uma dimensão paralela para reflexões.

Me vejo entediado, esperando enquanto minha avó rezava no túmulo de sua mãe, eu me pendurei numa lápide e encontrei o caminho do amor a seguir, o caminho veio até mim e estendeu o braço. Eu o reconheci na hora, e senti a clara distinção que nos separava. Ele parecia tão frio e franzino, que um súbito ímpeto de piedade me impeliu a abraçá-lo e confortá-lo. Mas seus olhos vazios possuíam uma vacuidade que nunca poderia ser preenchida. Eu sufoquei aquele surto de simpatia que sabia não poder proporcionar. Pensei em lhe oferecer o amparo que podia dar, mas eu nunca mais seria livre. Suas carências desesperadas corromperam meus propósitos e transformaram meus olhos em pó. Então lhe neguei o amparo de meu reconhecimento... o desprezei com um olhar cruel, me virei, e fui embora. Esse caminho não seguirei.

Minha avó aparece nesse meu lugar de revelação e escolhas. Surge dizendo para eu não fazer isso com ela, que seus olhos estão muito velhos e turvos para ver sem luz.

Eu queria que ela soubesse que algumas vezes, olhar muito para a luz só ofusca e oculta a verdade. Algumas vezes a escuridão é mais honesta.

Os Demônios assistem enquanto renego o amor e vago sem propósito por este vale de lágrimas... onde o vento nauseabundo bafeja nos corpos suspensos de todos aqueles que matei com amor. Quando você é um Demônio é bem sedutora a imagem de ver um heróico e honrado destino afundando na lama, era meu próprio jogo.

Este é o fim da espiral para o começo de outra. Abro a porta que me devolveria a minha vida banal e monocromática.

Antes de entrar, o round final se mostra. Eles me perguntam como terão certeza de que nosso segredo estaria a salvo.

A idéia veio de parte alguma, como uma bala esculpida pela loucura, e por um instante eu considero ignorá-la e sair dali.

Mas aí...eu me lembro que tenho uma reputação a zelar. Me viro e sorrio com um sorriso que eles verão em seus pesadelos e digo “confiem em mim”. Demônios são seres muito burros mesmo. Sabe por que não gosto deles? Porque sou melhor.

Nada como um chute no saco quando o juiz anuncia o vencedor.

Entro porta a dentro agasalhado com mentiras, arrogância e falso orgulho.

Quando olhava para o céu da minha realidade cai na lama. E cai gritando através daquela densa noite vermelha ainda resplandecendo em primitiva consciência.

Sabe o que dizem sobre noites quentes... sempre chove.

Caminhei duas horas até me sentir limpo.

Só não me esqueço de encher a cara de cana e cigarros baratos (é a única coisa que se compra de madrugada) e comecei a me perguntar o porquê das coisas acontecerem comigo.

Mas então aquilo começou a se mostrar pra que veio...

Pequenos barracos habitados por pessoas pequenas.

Hordas de escrotos pseudo-niilistas grudadas nas próprias TVs e computadores como moscas na merda.

Comodismo descontente que só envolve conquistas com joysticks em vídeo-games.

Que a única comunicação com o mundo externo é o mal-humorado ruído branco do éter industrial.

Tudo sob a incansável desculpa de ter a porra de um plano, não que o velhaco do andar de cima não pudesse remover essa essência deles com um reles estalar dos dedos figurativos dele, só que ele não se incomoda. Deus está pouco se lixando enquanto rodamos e cagamos como numa casquinha de sorvete nas nossas vidas.

Me acham louco, acho que estão certos. Afinal, pra quê contrariar o perfeito panorama de nossa sociedade consumista?

Nem um relacionamento se consegue hoje sem uma boa grana pra engasgar a dama.

Mas não é isso que a maioria das mulheres gostam? Um lugar bacana para comer, uma carona pra casa num momento confortável, longas bajulações, presentes caros, viagens e hotéis...

É, amigos, doce ilusão se você pensa o contrario.

Esse é o problema com o mundo, brother.... não vale a pena salvá-lo.

É hora de esticar as pernas e andar.

Desde que tive meu encontro com os Babilônicos nada parece muito diferente no mundo. Pelo jeito, ainda não foi desta vez.

Os Dragões não ficaram tempo suficiente pra mudarem nossas mentes, nos tivemos a chance de construir um futuro brilhante... Mas nós fomos lentos e burros demais.

Quem sabe, na próxima vez nós temos mais sorte?

Até lá, podemos continuar com nossas mentes pequenas neste mundo pequeno, nos preocupando com problemas pequenos como comer, arranjar dinheiro e achar um lugar quente pra dormir. Aliás, tudo isso me falta.

É a primeira vez que fico liso em anos, mas esta é a era das forças do mercado, sempre rola uma grana pra quem tem imaginação e conhece as pessoas certas.

Então é isso. A coisa toda vem em seu típico e tortuoso ciclo maldito. Tenho medo do que me tornei. Tenho medo de nesses dias estar abrindo a barriga de minhas mulheres para arrancar meus futuros filhos e dar para o Diabo lamber do chão como um caramelo no tapete, ou tentar matar algum Anjo pra vestir seu rosto.

A estrada é que dirá.

Eu me sento em outra pedra, escutando o som da água.

E no fim, isso não foi tão terrível assim. Quer dizer, ninguém se machucou muito. Nada que não possa ser consertado no devido tempo.

Ninguém morreu.

Exceto eu.





Prontinho. Tá feliz agora? Feliz em ver o mistério resolvido? Em ver como tudo se mostra como uma boceta aberta as avessas?

Porra, vocês são os maiores cuzões do Brasil... Eu to falando por experiência própria. Afinal, ainda ontem eu tava no seu nível de insignificância.

Por que vocês ficam todos assanhadinhos pra verem a resolução dessa porcaria aqui? Cuidem da suas vidas.

Você se mata de trabalhar 12 horas por dia, engorda de tanto se empanturrar de comida barata... e seu conjugue, é quase garantido que está tranzando um sexo selvagem com outro alguém, agora, no seu canto favorito do sofá.

Só porque vocês tem uma puta TV de plasma e uma coleção de DVDs não significa que você é um cara livre, ô filho da puta. Vocês não passam de uns escravos bem pagos, como tantos outros fudidos por ai. Esse blog é só 15min de intervalo na sua vidinha medíocre. E depois?

Você tinha certeza que o mundo foi sempre assim, não tinha? Infestado de guerras, fome, terrorismo e eleições forjadas.

Mas hoje ficou mais esperto, não é? E sabe qual a grande ironia? Tá afim de saber o que me faz morrer de rir, agora que estou do outro lado?

É que você simplesmente vai fechar essa janela e abrir outra procurando em sites de vendas alguma outra coisa pra preencher o enorme vazio que você sempre soube que sua vida foi. Talvez comprar um aparelho eletrônico ou um relacionamento novo faça você se sentir melhor.

Aqui eu me despeço com meu ultimo post. A merda desse blog nunca fez muito sentido pra mim, mesmo. Esse lugar caiu como um castelo de cartas. Será apenas um cemitério de lembranças, quero ficar velho e vir aqui pra ver as porcarias que eu escrevia e quem sabe ter um pouco de inspiração.



“Não enfrentes monstros sob pena de te tornares um deles, e se contemplas o abismo, a ti o abismo também contempla.” - Friedrich Wilhelm Nietzsche



5 comentários:

Dudi disse...

o himmler e suas aventuras pelo bairro das industrias. Cuidado com seu arduo caminho a seguir. desejo sorte.
e lembra que tem gente que ainda reza por você...!
bjo grande

Iza disse...

eu acho que era uma cadela.
um antagonismo tremendo.
de um lado uma criança assustada porque seu brinquedo favorito foi roubado enquanto brincava com outro.
do outro, um adolescente anarquista e revoltado que enxerga a realidade mas não faz nada para mudá-la.
do outro um adulto, que sabe qua não adianta lutar, que o demônio vai estar o esperando as espreitas debaixo da cama.
cada um com o seu.

quando vc parar de me odiar, talvez consiga ver a verdade.
nem está no escuro, nem na claridão ofuscante.
é uma vela acesa que é obrigada a ouvir as ladainhas das senhoras "rezantes".
aí depois disso, talvez vc deixe de se achar o único humano e perceber que todos estamos iguais á vc.
mortos.

Sara disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Sara disse...

Estava te lendo e escutando essa música.

"Além do horizonte do lugar em que vivemos quando criança
Em um mundo de magnetismo e milagres
Nossos pensamentos emanavam constantes e sem fronteiras
O soar do sino da divisão começou

Ao longo da grande estrada e descendo a caminho das causas
Eles ainda se encontram com a corte

Havia um bando de maltrapilhos que seguiam nossos passos
Corremos antes que o tempo levasse nossos sonhos embora
Deixando uma miríade de pequenas criaturas tentando nos amarrar
Ao chão
Para uma vida consumida pela degeneração lenta

A grama era mais verde
As luzes eram mais brilhantes
Com amigo por perto
As noites eram maravilhosas

Olhando além das pontes em brasa resplandecendo atrás de nós
Para ver por um relance o quão verde era o outro lado
Passos tomados adiante mas sonânbulos voltamos
Dragados pela força de uma maré interior
Em alta altitude com bandeira desfraldada
Alcançamos as alturas inebriantes daquele mundo de sonhos
Enclausurado para sempre por desejo e ambição
Existe uma fome não satisfeita
NOSSOS OLHAS DESGASTADOS AINDA FITAM O HORIZONTE
APESAR DE PASSARMOS TANTAS VEZES POR ESSA ESTRADA

A grama era mais verde
As luzes eram mais brilhantes
O gosto era mais doce
As noites eram maravilhosas
Com amigos por perto
A brilhante bruma da manhã
A água correndo
O rio sem fim"

Jess disse...

às vezes fico me perguntando se a gente teria dado certo...