segunda-feira, 3 de setembro de 2007


Aonde anda a inspiração que me incendeia?
À sete chaves desta paz incandescente...
Aonde anda a velha paixão traiçoeira?
Dentro do poço de uma alma transparente...

Aonde anda este sorriso feiticeiro
Que em milênios, fez em mim sua morada...
Aonde anda o meu amor prisioneiro?
Que sem querer, me fez ser seu escravo...

Aonde anda tudo isso que mais quero?
Será que um dia, o terei por inteiro?
Ou será apenas como a amargura desse blog?

Aonde anda a poesia desesperada?
Se nem ao menos consigo me reconhecer
Dentro das chuvas dessa eterna noite...

Um comentário:

igor von richthofen disse...

meio confuso com algumas coisas hein lobinho?!