quinta-feira, 7 de fevereiro de 2008

A queda do Lobo

O lobo do inverno sempre foi fã de uma vida simples... Uma vida q ele pudesse controlar sem sofrimentos como duvidas, medos, arrependimentos, rancores ou perdas... Não existia isso em sua vida a muito tempo. Ele era treinado, treinado para caçar, treinado para ser perfeito, para não cometer erros...

Sua vida era simples e fácil, mas um dia seu focinho encontrou um cheiro doce...muito doce e ele o seguiu...o seguiu para distantes terras desconhecidas onde só havia um velho rosto amigo e sua dama que era tão gentil quanto o velho rosto...Perdido nessas terras ele descobriu que o cheiro pertencia a uma selvagem brisa doce.

Essa brisa não tinha forma, tinha todas as cores e ao mesmo tempo nenhuma... Por mais suave q a brisa fosse ela ainda tinha a força d um furacão...

O lobo não sabia o perigo q essa brisa representava... Ele nunca tinha visto nada assim antes. Ele esqueceu como sua matilha o ensinou a caçar... Esqueceu os ensinamentos dos mais velhos...Ele correu atrás dessa brisa...correu e correu.

A brisa era fria e forte, seu pelo congelava, seus olhos ardiam...A brisa o levava longe, para lugares q ele nem sequer olhava, ele só se concentrava no cheiro doce q a brisa carregava...

Seu coração batia forte e quente com esse cheiro em seu focinho. Em um ritmo viciante o lobo realmente achou que sua vida poderia ser diferente, mas isso também era efeito inebriante cheiro que a brisa carregava.

As vezes a brisa o levava para o alto...bem alto, e o soltava. Doía muito...mas o lobo era forte e sempre agüentou bem...ele tinha um objetivo.

Mas dessa vez nem o forte lobo agüentou. A brisa incomodada com o lobo que estava pegando carona em sua vida o levou alto...bem alto....muito alto. Esperou que o lobo baixasse sua guarda....quando aconteceu ela o soltou para cair....

E o lobo que nunca conseguiu fazer com que a brisa visse seu verdadeiro rosto...O lobo que estava cego com suas pálpebras congeladas....O lobo que só queria estar perto daquela brisa...CAIU!

caiu no vale da solidão...onde ele vive condenado a viver amarrado a seus medos.

2 comentários:

Clementine disse...

e eu sempre soube o quanto você é fantástico com as palavras e letras...

só que eu preciso de ações.
só disso.

toda brisa é periódica... faça essa não ser.

simone disse...

"Ele esqueceu como sua matilha o ensinou a caçar... Esqueceu os ensinamentos dos mais velhos...Ele correu atrás dessa brisa...correu e correu."


.
.
.

por isso caiu.

.
.
.

"é inutil esforça-se demais."


decepçoes so vem quando se cria espectativas demais.. seres humanos sao todos vuneraveis. Como dizem os dinarmaqueses.. "nos somos felizes pq nao esperamos mto.. nao criamos espectativas em cima das coisas nem desejos nem pessoas"

uma coisa eh acreditar, desejar, querer.. outra eh se iludir.

vc acredita em fatos nos quais um dia vc quis provar e com isso vc se jogar nisso eh querer se machucar...

mas indo pelo principio de "o bom eh sonhar que voa alto.. pq o bom eh q quando acordar e cair nao sobra nada"

mas sem tombos ngm aprende nada..