segunda-feira, 17 de dezembro de 2007


Sonhei,
Com um local sombrio.
Onde chorei,
Onde senti frio.
Estava apenas a sonhar,
Mas parecia bem real.
Onde não via o luar,
Não via nenhum animal.
Estava condenado,
Ao frio e à dor.
Não esperava ser encontrado,
Pelo lobo predador.
Foi então que ele apareceu,
Vagueava entre os arbustos.
Meu corpo estremeceu,
Consequência dos sustos.
Caminhou lentamente,
Nunca deixando de me observar.
O lobo prudente,
Cruzou com meu olhar.
Mostrou o pior de si,
Dentes de lobo predador.
Mas também senti,
Seu grito de dor.
Seu olhar fascinava,
E o uivo era encantador.
Meu coração não receava,
Era o lobo protector.
Entre o fascínio e o medo,
Acabei por chorar.
Ele contou-me o seu segredo:
Estou aqui para te apoiar.
Vagueamos pela floresta,
E de manha acordei.
Do sonho o que resta,
É aquilo que contei.
Muito tempo já passou,
Ele continua a vaguear.
E sempre me encontrou,
Nos sonhos para me apoiar.
Lobo predador,
Lobo adorado.
És o meu protector,
Em qualquer lado.
Sinto a sua presença,
Em qualquer lugar.
A sua paciência,
Em me apoiar.
Foi há muito tempo que comecei,
A venerar o lobo predador.
Seu uivo sempre ouvirei,
Ele é um vencedor.

-Autor desconhecido,"Obra desconhecida"

2 comentários:

simone disse...

"seu uivo encantador... (...) ele eh um vencedor"

;}

Clementine disse...

você está me saindo um Lobo-mau muito bom em letras.
descrição instigante seu poema.

vc uiva, late e mia ao mesmo tempo...
cansa?